Edvaldo

Por Edvaldo Paulo de Araújo

A minha geração, na sua infância, adolescência e juventude, não tínhamos tantos meios de lazer e, na criatividade, buscávamos meios para tal de uma interação com os amigos muito grande – as poucas praças – , mas o nosso lugar favorito era mesmo as ruas. Ali, durante o dia, brincávamos de uma série de atividades: gude, futebol, triângulo, tapagem quando chovia e, no verão, soltar pipa etc. Era uma festa! Quando um grande queria brigar com a gente, que era menor, dizia-se logo: “forma pra você é fulano” E, muitas vezes, íamos buscar o tal forma para enfrentar o valentão. O principal lazer da nossa gente era mesmo o cinema; não tínhamos o veículo da TV.
No domingo, principalmente aqueles que podiam vestiam uma roupa nova para ir às matinês; os que não tinham condições, mantinham guardadinha a chamada domingueira, que exibiam sempre no domingo, muitas vezes alvo de gozação dos amigos, que logo diziam: – lá vem fulano, vestindo a sua domingueira. Sempre era uma delícia, tomar um banho e vestir uma roupa nova ou uma domingueira, para nos exibirmos. Como começávamos namorar bem cedo, e nos encontrávamos com as namoradas sempre nos domingos para ir às matinês, era uma delícia vestir uma roupa nova para nos exibirmos com a namoradinha, que, muitas vezes, namorava escondido e não podíamos nem andar de mãos dadas.
Hoje, o mundo oferece milhões de alternativas, e as pessoas passaram a ter acesso a mais lazer e melhores roupas, modas diversas, cores maravilhosas e roupas realmente lindas. Todos nós gostamos de vestir uma bela roupa e sermos elogiados pela elegância e comentários de como se estava bonito ou bonita. É muito lindo uma pessoa que se veste bem, tem bom gosto e esmera na sua imagem externa para o mundo; é bom, enche os olhos de quem olha e embeleza os lugares que frequenta. Mas não adianta muito se a pessoa elegante, bonita, não for provida de educação, civilidade e ser considerada uma boa pessoa. De nada adianta se for o contrário; o olhar pra ela sempre vai ser de uma pessoa fútil, que não tem o mínimo trato com as pessoas.
Devemos, sim, quando se pode vestir roupas bonitas; estar limpo, estar elegante, é salutar, faz parte da higiene pessoal e da marca sublime de a pessoa ser elegante em todos os sentidos, e realmente é prazeroso vestir uma bela roupa nova.
Quando garoto, ainda na escola primária em Veredinha, município da querida Vitória da Conquista, a maioria de nós vestíamos roupas remendadas, ou seja, roupa que furava um buraco ou desgastava e nossas mães pegavam uma roupa bem mais velha, tirava um pedaço bom e colocava naquela que ainda dava para usar. Um dia, a professora Alzira, ao fazer a vistoria, verificou que colegas estavam com roupas sujas e ela proferiu a frase que ficou eternamente na minha mente: – “venha com roupas remendadas, mas não se esqueçam de vir limpos..”.
Todos os dias de nossas vidas, temos a oportunidade de nos embelezarmos com roupas novas, mas essas roupas não são apenas de tecidos, são de atitudes em nossas vidas. Uma relação que te maltrata, humilha, faz da tua vida uma completa desmotivação. Quando você se encoraja e se livra dessa relação deprimente, você veste o seu espírito e a sua mente de uma roupagem nova, e segue em frente em busca de dias melhores. Quando você faz um curso de que não gosta, um trabalho que te faz infeliz, um moradia desconfortável, e consegue mudar em busca de novos caminhos é a mesma coisa de vestir uma roupa nova, só que está vestindo uma invisível e de maior valor, está iluminando a tua alma e buscando, na força da energia criadora, um mundo novo para teu ego, a tua consciência e a tua mente.
É igual aos amigos dos quais você se afasta pela própria dificuldade da vida, mas guarda umas boas lembranças dessa amizade e, um belo dia, resolve procurá-los; é igual aquela roupa que não mais usa, guardadinha no cantinho do seu guarda-roupa e volta a usar, experimentando a alegria da primeira vestida. Assim são as amizades esquecidas e o retorno das mesmas às nossas vidas.
Quando nós buscamos o nosso crescimento e somos iluminados para seguirmos uma melhor direção e isso nos faz sermos melhores, são roupas novas com que vestimos o nosso espírito, iluminadas pela energia do universo, nos guiando para nossas missões de luz, onde, na beleza do nosso ser, somos impregnados de uma vestimenta sublime, para melhorar o mundo em que vivemos.
Quando, através dos estudos acadêmicos, estudos em busca de conhecer, obtemos o conhecimento de matérias importantes para a humanidade, o conhecimento é sempre uma roupa nova invisível, de uma grandeza infinita, pois além de estar no seu cérebro, está plantado eternamente no corpo mental, mesmo após o desencarne. O conhecimento sempre será uma roupa nova embutido na grandeza de ser do seu eu.
Quando nós insistimos em assistir aos telejornais da vida, ler os jornais entupidos de notícias ruins, cheios de conversas degradantes e maldizendo irmãos, estaremos vestindo a pior roupa, as mais feias, as mais sujas, as mais molambentas possível. Também, quando discutimos coisas inúteis, ou falando mal das pessoas, exercendo julgamento delas, denegrindo a imagem delas, são roupas fétidas que colocamos em nosso corpo biológico e impregnamos nossa mente como se fosse um esgoto a céu aberto. Devemos, todos os dias, todos os momentos da nossa efêmera vida, nos afastar dessa negatividade. Afastemos disso, lendo bons livros, vivendo com dignidade, não nos deixando entupir de notícias e comentários ruins, pelos quais você nada pode fazer. Deixe o seu espírito respirar o que é bom; deixe a sua mente se vestir do que há de mais sublime e sagrado, busque sempre no entendimento e a sua consciência, o que é digno e respeitoso. Assista a um bom filme, a uma boa história, se emocione com a beleza da vida e se vista de luz e de bênçãos por ser uma pessoa totalmente vestida de compaixão, educação, civilidade, consciência humana e muito amor,
Vista-se sempre do melhor, vista sempre o melhor sorriso, o melhor gesto, a melhor gentileza, os melhores pensamentos, os melhores sonhos. Vista-se sempre com a energia de ser amigo e ter os melhores e leais amigos. Não basta uma roupa elegante e bonita; antes de tudo, maior que tudo, vista o teu espírito com o melhor do amor e da compaixão ao seu irmão, a humanidade. Vista-se de amor ao nosso planeta e cuide dele, pois ele é a nossa casa, enquanto aqui estivermos.
Visto-me de cores que refletem a minha alma. Gosto de branco, azul e verde, são minhas cores preferidas. Adoro minhas camisas italianas, que se ajustam ao meu corpo e me fazem sentir elegante. Visto-me de bons pensamentos , e, onde quer que eu esteja, procuro dar o melhor de mim, para que esse ambiente seja agradável, justo e feliz.
Nesse tempo tão triste que estamos vivendo, dessa pandemia, é necessário nos vestirmos de otimismo, piedade e orações a Deus, buscando a vinda dos espíritos de luz ao nosso auxilio.