WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


março 2019
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

camara vitoria da conquista cicatriza fast impressoes

:: 27/mar/2019 . 10:40

Herzem está em Salvador concedendo entrevistas à imprensa estadual

IMG-20190327-WA0009

O prefeito Herzem Gusmão, acompanhado dos secretários Marcos Ferreira e Diego Gomes, Gabinete Civil e Secretaria de Comunicação respectivamente, encontra-se na capital do estado desde ontem com o propósito de divulgar nos diversos orgãos de imprensa os seus principais feitos na capital do sudoeste da Bahia depois de dois anos de governo. :: LEIA MAIS »

Educação: para onde aponta a educação no Brasil…?

Dirlêi

Professor Dirlêi A Bonfim*

Para onde aponta a Educação no Brasil…? Com tantos problemas infraestruturais…?  A implantação e desenvolvimento de um modelo contemporâneo de uma escola que seja compatível com as necessidades do século XXI, XXII e mais. O que há de novo verdadeiramente para a construção de uma nova Universidade no Brasil…? Que seja voltada para uma ciência compatível com à realidade. Pesquisa aplicada de ponta que possa interessar e instigar as empresas numa parceria virtuosa…?  Uma universidade que seja capaz de acompanhar a velocidade como o conhecimento e que também esteja sintonizada com as exigências éticas de um mundo com tantas de demandas ao mesmo tempo tanta exclusão. Fato é que nesse país, não temos a tradição, como em outros países, de que os detentores das grandes fortunas, façam doações generosas para criar ou subsidiar aquela Universidade e naturalmente ao desenvolvimento científico e tecnológico, como  por exemplo da Universidade de Harvard o que fez dela uma das mais prestigiosas universidades do mundo. Seu nome foi em homenagem ao primeiro benfeitor da universidade, o jovem ministro John Harvard de Charlestown, quem doou, toda a sua biblioteca e mais de 80% de todas as suas propriedades à instituição. Assim seguimos no Brasil, sem que tenhamos essa benevolência e tradição na nossa sociedade, o que é uma pena. Quanto a novos modelos educacionais, a uma discussão sobre que modelos importantes e interessantes em diversos países do mundo, possam contribuir para que consigamos aperfeiçoar o nosso. Todavia se faz necessário, como afirma o  Professor Eduardo Giannetti, em Trópicos Utópicos (2016), vai nos dizer que o “Brasil precisa de modelos originais que sejam desenvolvidos por nós, levando em consideração todos os nossos erros e acertos e não copiar modelos de outros países”,  ele propõe uma abordagem original e inovadora da questão da identidade, que olha antes para o futuro que para o passado: É possível unir o Brasil em torno de um projeto próprio no mundo globalizado? Um livro para redescobrir o país e pensar em seus futuros possíveis. Tudo isso deve ser feito acompanhando as exigências emergenciais de cada um dos setores da educação. No que se refere à escola ideal para o ensino básico.  “O Brasil abandonou a educação porque começa discutindo como financiar”. A gente tem de começar discutindo o que fazer, depois como fazer, depois, os recursos de que precisa, o problema é muito sério na educação brasileira. Há uma visão ritualizada do processo de aprendizagem e isso acontece em todos os níveis de ensino, até no superior. O aluno acha que, se ele for à aula, aprender o que foi transmitido e reproduzir tudo na prova, terá sucesso. Ora, isso não ajuda a pessoa a ter um pensamento próprio, original, e caminhar por si mesma na busca do conhecimento. Quando eu dava aulas, dizia seriamente para os meus alunos que eu preferia uma resposta errada que demonstrasse reflexão sobre o problema a uma correta que revelasse apenas capacidade de memorização do que foi visto em aula ou do que está em algum livro ou manual. Tem mais valor um erro que mostre um movimento de busca e um pensamento próprio do que um acerto que seja cópia de algo que nem sequer foi devidamente assimilado. O físico americano Richard Feynman (1918-1988), que esteve no Brasil na década de 1950 e deu aulas no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, no Rio de Janeiro, escreveu em sua biografia que os alunos brasileiros não eram ensinados a pensar cientificamente, já que eles apenas memorizavam o que lhes era dito em aula ou o que liam em livros, sem entender qualquer fenômeno. Quando um estudante brasileiro vai mal num exame internacional de comparação de desempenho como o Pisa sigla em inglês para programa Internacional de avaliação de alunos, promovido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), boa parte é pelo fato de ele não estar preparado para enfrentar um problema por conta própria e refletir sobre ele, uma exigência desse exame. Porque desde o início da sua vida escolar ele foi preparado e treinado para reproduzir em prova os conteúdos dados em aula. O poeta irlandês William Butler Yeats (1865-1939) dizia que a educação não é um balde que contém, mas um fogo que incendeia. Precisamos abandonar o balde que contém e partir rumo à chama que incendeia. E essa chama nada mais é do que a curiosidade, a própria busca pelo conhecimento.  Agora, mesmo sem nenhum recurso, o governo precisaria de pelo menos R$ 3,5 bilhão por ano, só para o processo de alfabetização. Será que o Brasil não está disposto a pagar o valor necessário para acabar com o analfabetismo, ainda latente no país…?  Além do mais, os recursos que são destinados para os diversos programas da Educação, não chegam lá na ponta. Da saída lá em Brasília, até chegar ao município lá no interior, do interior do país, esses recursos já se perderam pelos corredores da burocracia e do desvio/crime(malversação do erário público). Há uma carência vital e absoluta de ações e programas governamentais de motivação e estímulo ao processo educacional. Numa jornada brasileira pela educação, em todos os níveis, buscando o envolvimento e a participação de toda a sociedade. As pessoas, não entendem e nem aguentam mais programas institucionais feitos de cima para baixo, sem a efetiva participação do principal interessado (os alunos, discentes, docentes e acadêmicos), é insuportável a Gestão e Administração dos processos educacionais, sendo efetuadas por uma classe de tecnocratas/burocratas que não conhecem o dia a dia e o cotidiano das salas de aulas, bem como, das unidades escolares. Sejam dos governos municipal, estadual e federal, esses tecnocratas definitivamente, não conhecem os reais problemas da educação desse país. E continuam a repetir as velhas fórmulas, conceitos e modelos ultrapassados e equivocados. Assim, algumas medidas de forma imediata e cruciais, devem ser identificadas, no sentido de que o país possa enfrentar os problemas da educação de frente e não se utilizar de jargões ou subterfúgios e cortinas de fumaça para criminalizar o que já foi feito por gestões anteriores, para justificar o que se vai fazer ou não fazer agora. Como se pudesse apagar simplesmente da consciência coletiva o que já se viveu até aqui. :: LEIA MAIS »

alessandro tibo
blog do marcelo


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia